TEXTOS DO AUTOR

ZÉ PEDRO, O DEBOCHADO

Êta moleque danado, esse rapaz de invencionices mirabolantes.

BOM DIA, CAVALO

Dicção boa, o cavalo cinza era bem-humorado.

PORTUGUÊS É FÁCIL?

Acho que não. Conjugação verbal e concordância são pra lá de difíceis, a meu ver.

A FÁBULA DA FÍBULA

Um acidente pra lá de bizarro e as versões multifacetadas e fabulosas da quebra da fíbula.

DOCE CONVERSA

Duas folhas de louro no açucareiro, motivo para doces conversas.

UMA VIAGEM RÁPIDA PELA ACADEMIA

Rápida análise do ambiente da academia e dos acadêmicos de malhação.

O IMPREVISÍVEL GUILHERME

Boca azul, xixi verde... Porque amarelo mais azul dá verde. Simples.

O INQUEBRANTÁVEL E O QUEBRADIÇO

Nem tudo que parece é... E o que não quebra pode quebrar.

REALIDADE CRUA

Bial, Ana Maria, considerações sobre o mundo paralelo, dos privilégios, e o mundo da realidade crua.

DIÁLOGO E DIÁGOLO

Texto que antecipa uma impossível inclusão de novo verbete no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa.

O DIA EM QUE IVOLINDO BECHARA BATEU LÁ EM CASA

O confisco dos travessões e a carteirada de Ivolindo, a pedido do Zero Dois.

SUFOCO FLUVIAL

Crisalvo segue de barco para o casamento em Itacoatiara. Antes tivesse comido a coxinha.

QUANDO ESCREVER DÁ ALÍVIO

Considerações sobre as estratégias de arejar a alma e desopilar o fígado.

DESPRENDIMENTO

Celina amava Márcio. Márcio amava Vera. Vera gostava de Celina. Astolpho amava Deolinda. Deolinda amava Cartola. Cartola gostava de Noel. Deolinda cuidava de Noel. E de Cartola.

CONTATOS IMEDIATOS DE QUINTO GRAU

No interagir, tudo vale a pena para você sair de casa, sair do ostracismo digital. Mas, claro, filtre tudo.