TEXTOS DO AUTOR

NOSSAS FERRAMENTAS ENDOIDARAM

O Novo Acordo Ortográfico se firma aos pouquinhos. Mas, quando se fala de revisão textual, a fase de transição dá o que falar e pesquisar... pelo menos entre revisores.

EU  — Nagues, está ficando difícil fazer revisão textual com essa indecisão por parte das nossas ferramentas. Você acredita que "benfeito" está no Houaiss?! Pelo menos na versão que tenho. Lá não tem bem-feito. No Aurélio tem.

NAGUES  — Você acaba de dar vida às ferramentas, hehehe... E o pior é que o VOLP dá razão ao Houaiss. Traz "benfeito", "benfazer",  "benfazejo"... E aquela errata do VOLP que você me enviou (lembra-se?) altera apenas "bem-fazer", que fica assim. Vá entender!

dia a dia sem hífen - http://portalmultirio.rio.rj.gov.brEU — Pois você acaba de personificar o VOLP também. Aliás, você sabe muito bem que muita gente pensa que o VOLP é gente.

NAGUES  — Há quem confunda com o Alfredo Volpi, o artista das bandeirinhas e bandeirolas... Ontem mesmo expliquei para uma pessoa que VOLP é sigla de Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa.

EU — Voltando ao benfazer e benfazejo, isso não me surpreende... mas benfeito! Tem certeza? Será que o que viu não foi Benfica?

NAGUES — Lembra-se de bem-vindo? de que se dizia sempre nunca ser benvindo? que Benvindo só como nome próprio? Se bobear, logo o benvindo vai ser dicionarizado. É duro engolir que sinal da cruz e pé de moleque não têm mais hífen.

EU — Isso não é nada. Choque pra mim foi o dia a dia e o tão somente agora sem hífen.  Ainda bem que meio-fio permaneceu assim. Quando ando na calçada sempre olho para o meio-fio. E me fixo no tracinho. Seria um problema o meio-fio sem hífen, principalmente para deficiente visual.

NAGUES  — Pronto! Começou a viajar... Meio-fio com hífen ou sem hífen e calçada sem faixa tátil é assunto delicado para deficiente visual sempre.

EU — Sabia que um amigo meu quase apanhou numa roda de amigos quando disse que o certo é muçarela e mozarela, e não mussarela?

NAGUES — Acredito. Soube de um cara que pra se livrar de ser torturado, desdisse o que havia dito e corrigiu para mussarela no depoimento. Só três anos depois isso veio a público. Justamente quando o uso de mussarela dava sinais de que iria vencer a batalha da dicionarização.

EU — Menos, menos... E mussarela está mesmo a um passo de ser admitida como grafia correta... aquela que vence pelo cansaço. Já está no Aulete.

NAGUES  — E o plural de arco-íris então...

EU — Pois é, no VOLP a gente encontra arcos-íris, que está errado. E o pior, não consta da errata. Já camisa de força, é assim no Houaiss e no VOLP. Não no Aurélio.

NAGUES  — Já sinal da cruz é sem hífen pelo VOLP, e pelo Houaiss. E o Aurélio disse "tô fora".

EU — Ia me esquecendo. Fique de olho na conjugação do verbo apoiar. Apoio, apoias, apoia, apoiamos, apoiais, apoiam. Se bobear o Word bota acento. E as pessoas ficam achando que o dicionário do Word é quem manda. E há dicionários que ainda mantêm o acento em apóio, apóias, apóia, apóiam, o Aulete digital, por exemplo.

NAGUES  — Esse maldito dicionário do Word sublinha de vermelho toda vez que escrevo muçarela... E ideia também. Corajosa mesmo é a Maria Tereza Piacentini. Relançar o livro "Só palavras compostas" quando ainda reina essa confusão com o hífen.

EU — Maria Tereza sabe das coisas. Mas um dia desses não entendi uma explicação dela. Na pág. 137 do "Só palavras compostas", quando ela dizia das palavras que permaneciam com o trema, classificou Anhangüera (diabo velho) de nome estrangeiro, por ser tupi. Vivendo e aprendendo. Acho até bom, porque eu ia sentir falta do trema na rodovia Anhangüera, quando eu fosse pra São Paulo.

NAGUES — Os tupis são estrangeiros, apesar de não se exigir passaporte deles.

EU — Como pedir passaporte se eles já estão aqui? Aliás, sempre estiveram... Você que é estrangeiro. É de Campo Grande.

NAGUES — Dia desses uma cliente minha queria escrever castanha-do-Brasil...  ignorar que  o certo é castanha-do-brasil e castanha-do-pará. Não sei das convicções religiosas dela, mas imagine, sendo carola, escrever a deus-dará com minúscula. Talvez não aceitasse nem o fato de todo-poderoso estar em caixa-baixa nos dicionários. E muita gente não sabe também que o feminino é todo-poderosa...

EU — Há pessoas que se julgam antipatriotas por escrever com caixa-baixa  castanha-do-brasil, hehehe. Estranham brasis em vez de Brasis. Interessante mesmo foi a minha dúvida numa revisão sobre alimentação de coletividade. Em "corte à Juliana", Juliana seria com maiúscula ou não? That′s the question. Pois deixei com maiúscula mesmo, apesar de ter sido levado a um site em que a própria Juliana dava uma receita de "arroz à juliana".  Pois é, a juliana minusculada se igualou ao arroz.

NAGUES — Se a gente continuar essa conversa, isto vai dar um artigo...

EU — Já deu, Nagues, já deu.

Aristides Coelho Neto, 22.5.2011

Comentários (3)

Voltar